[GTER] [caiu] PTT - Sp com problemas?

Michel L. M. B. Perez michelmbperez at gmail.com
Sat Mar 22 13:55:56 BRT 2014


Essa conversa sempre dará muito pano pra manga, com toda certeza não são
apenas alguns e-mails trocados entre nós q vão resolver algo. Acho que isso
tem que ser discutido melhor nos PTTs Fórum, mas por gente que decida.

Todos estão cientes e provavelmente estão de acordo que OK, do jeito que
está está funcionando, talvez em time que esteja ganhando não se meche, mas
dessa forma e com a escassez de recursos que a região SP sofre como citado
acima, a qualquer hora algo pode acontecer uma "blackhole", claro que todos
trabalham para q isso não aconteça. Porque não pensar em talvez não
interligar todos os PTTs, mas sim aqueles que os provedores locais tem uma
maior quantidade de tráfego.

Com toda a certeza o NIC sabe os ISPs que estão no PTT de SP, sabe o PIX
onde cada um está conectado e com certeza tem como medir o quanto de
tráfego vem de cada ISP, digo isto pois cada ISP atende uma região e com
isso conseguiria saber o trafego por "estado" ou "região" e com base nisso
poderia se pensar em sei lá juntar o PTT de SP, RJ e BH (foi só um exemplo).

Além disso nem todos os ASNs Brasil estão no PTT de SP, com isso muita
gente poderia entrar no seu PTT regional para trocar trafego, eu sei o NIC
não quer ser um provedor, mas hoje todo mundo que tem bom serviço tem uma
perna no PTT é fato, e indiscutivel...

Todos sabemos nossas Teles não tem capilaridade pra atender todo Brasil e
aí que entrar os Provedores locais que atendem onde os outros não atendem,
e pq todos estão no PTT, pra gerar conteúdo de melhor qualidade e
velocidade pro seu assinante.

Por fim das contas, tornar a internet melhor, mais rápida e com menor
latência pra todos nesse país.

Minha sugestão é que seria interessante podermos analisar as estatísticas
de trafego de outros estados no PTT-SP, isso sim seria de grande valia para
então os provedores locais poderem trabalhar numa forma de Cooperativa para
interligar o PTT local com o de SP.

Att.,

--
Michel Perez
Skype: michelmbperez
michelmbperez at gmail.com
http://br.linkedin.com/in/michelmbperez


Em 22 de março de 2014 12:50, Rafael Cresci <cresci at gmail.com> escreveu:

> Milton-san,
>
> > Quanto a centralização citada. O PTT de São Paulo está longe de ser um
> concentrador de tráfego, os exemplos citados AMS-IX, DE-CIX e LINX tem
> troca de tráfego superiores a dois Terabits/segundos, tem mais de 300
> participantes com participantes do mundo inteiro, alias a maioria, a
> geolocalização está longe de ser o motivador. É natural, se analisarmos o
> ecossistema da Internet, trata-se de escolha dos participantes seja por
> razões econômicas, por melhoria da qualidade por redução da latência e
> eliminação de redes terceiras, ou maior controle sobre a entrega de seu
> tráfego ao destino.
> >
> > Sobre os grande conteúdos (Google, Facebook, Netflix, Globo, Terra,
> Amazon, Microsoft, etc.). Nós reiteradas vezes pedimos a eles para
> colocarem seus conteúdos nas outras cidades, mas a decisão depende deles. O
> Google já ativou no Rio de Janeiro, Netflix tem planos para estar presente
> em outras localidades, Globo e Amazon estão presentes em São Paulo e Rio de
> Janeiro, Terra em São Paulo e Porto Alegre, Akamai, nem em São Paulo, e não
> é falta de convite, justificam razões de custos, mas não estão presentes em
> nenhum PTT.
>
>
> Creio que aqui vá repetir coisas que já disse antes na lista, mas não
> custa nada lembrar.
>
> A "visão gringa" principalmente dos provedores de conteúdo de estar no
> PTT-SP, visão essa que conheço profundamente por ter trabalhado com
> datacenters e provedores de conteúdo de fora por muitos anos e
> recentemente, é influenciada por três máximas:
> 1. A cidade é a "business capital" do Brasil (alguns achando que é a
> única, mas aí é questão de nosso marketing internacional não funcionar
> direito e do povo achar que, por exemplo, Rio é só samba, mulatas,
> cerveja e favelas, num comparativo);
> 2. "Everybody else" está lá;
> 3. O "tráfego" está lá.
>
> Ou seja, é o efeito Tostines em ação.
>
> Isso é corroborado, por exemplo, pelo fato de que um grande provedor
> de conteúdo internacional resolveu se instalar só e somente na região
> de São Paulo (no máximo Campinas como segunda opção, e de preferencia
> na região da marginal Pinheiros), e recentemente enviou por aí RFQs
> pedindo "míseros" 3MW de energia só pra começar (daqui a 6 meses), e
> dobrando isso pra daqui a 1 ano e meio. O caso é notável porque este
> provedor de conteúdo tem capacidade suficiente para ser talvez uma
> porta de 100Gbps no PTT-SP e forçar mais ainda o tráfego pra este PTT,
> uma vez que é previsto uma grande mudança de parte do conteúdo dos EUA
> e Europa desde provedor, para vir para dentro do Brasil.
>
> A pior parte é que algum maluco dentro de Sampa mesmo (nada de
> Campinas) VENDEU isso pra eles. Quero ver como vão entregar (não estou
> duvidando que consigam, mas face o status quo, vai ter que chupar cana
> e assobiar ao mesmo tempo), visto todas as dificuldades energéticas
> que a cidade vem enfrentando e as limitações da Eletropaulo que, como
> outros datacenters da região sabem bem, fica fazendo doce e querendo
> entregar só de 480kW em 480kW por vez até porque não tem como entregar
> mais, ou outros expedientes loucos que todos já conhecemos como
> funciona para negarem o fornecimento.
>
> É isto, aliás, que talvez comece a direcionar o peering pra fora da
> cidade: as dificuldades da megalópole (e falo indistintamente entre
> Sampa e Rio) estão aparecendo e se apresentando uma a uma: o sistema
> elétrico está por um fio de novos colapsos e novos apagões; o
> fornecimento de água está passando pelo inferno astral nesse exato
> momento, o trânsito é uma desgraça e o custo de vida está pela hora da
> morte.
>
> O custo de vida e seu respectivo aumento nos salários e aluguéis pode
> não ser impactante para uma operação deste tamanho da citada acima,
> mas com certeza é para os content providers menores. O trânsito é um
> problema menor também, mas pode afetar por causa da qualidade/tempo de
> atendimento (em especial em operações lights off/unmanned).
>
> Mas o problema da limitação energética não pode ser descartado assim, do
> nada.
>
> []s
> Rafael Cresci
> --
> gter list    https://eng.registro.br/mailman/listinfo/gter
>


More information about the gter mailing list