[GTER] FYI: =?iso-8859-1?Q?Not=EDcia?=: Fapesp e Terremark ampliam serviços na Internet brasileira

Manta, Marcelo [BLMES:0B70:EXCH] manta em ieee.org
Quinta Abril 4 19:09:01 BRT 2002


Fapesp e Terremark ampliam serviços na Internet brasileira

Daniela Braun

Dentro de 60 dias, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São
Paulo, a
Fapesp, começa a transferir a tarefa de operar, manter e comercializar o
Ponto de Troca de Tráfego (PTT) - ponto neutro de interconexão na
Internet
para troca direta de tráfego entre provedores de acesso e operadoras de
telecomunicações - para a iniciativa privada.

A mudança, que se concretizará dentro de 12 meses, resulta de um termo
de
cooperação técnico-científica oficializado hoje (03/04) com a
subsidiária
brasileira da Terremark Latin America - empresa americana facilitadora
de
conectividade e prestadora de serviços gerenciados e de infra-estrutura
para
a Internet - que transforma o PTT em um NAP (Network Access Point) do
Brasil.

Os executivos da Terremark estimam um investimento de US$ 45 milhões na
migração, upgrade de infra-estrutura e serviços para o NAP brasileiro -
que
deixa a Fapesp para ganhar uma nova sede, em São Paulo.

Entre os benefícios prometidos pela expansão do PTT está a garantia de
acesso da comunidade científica paulista às redes norte-americanas de
alta
velocidade, incluindo a Internet 2, por meio do NAP das Américas,
operado
pela Terremark, em Miami. O acordo abre caminhos para programas como o
TIDIA
(Tecnologia da Informação no Desenvolvimento da Internet Avançada), o
BIOTA-
Fapesp, para estudo de biodiversidade, e o projeto Genoma.

Com as melhorias no NAP, no entanto, os atuais 32 clientes do PTT -
entre
eles empresas como AT&T, Brasil Telecom, .comDominio, Comsat, Intelig,
CTBC,
Telemar, iG, UOL, Terra, Unisys e Vésper, que recebiam estes serviços
gratuitamente pela Fapesp - passam a pagar pelos serviços prestados sob
a
administração da Terremark, em dois anos.

Segundo José Fernando Perez, diretor científico da Fapesp, antes do
prazo de
dois anos os atuais serviços prestados aos usuários do PTT continuam
gratuitos. Para os novos usuários ou os clientes atuais que quiserem
ampliar
seus serviços, os mesmos serão cobrados.

"O fato de operarem o NAP das Américas - ponto de acesso a redes
localizado
em Miami que atende a 55 clientes para os Estados Unidos, Américas,
Caribe,
Ásia, Europa e África e demandou US$ 76 milhões em sua criação - e de
operarem com neutralidade em relação a outros NAPs nos quais há
participação
de grupos de telecomunicações foi decisivo para nossa escolha", disse
Hartmut Richard Glaser, coordenador da rede ANSP.

Com a transferência do PTT para a Terremark, a Fapesp deixa de
desembolsar
US$ 120 mil mensais, gastos com a manutenção do PTT, informou Jairo
Klepacz,
presidente e principal executivo da Terremark no Brasil. Para compensar
os
investimentos já realizados, a Fapesp terá uma participação de 6% das
receitas geradas pelos serviços oferecidos pelo NAP do Brasil durante
cinco
anos. Nos cinco anos seguintes, esta participação cai para 5% e, nos dez
anos seguintes, para 1%.

Klepacz afirmou que os custos mensais dos serviços oferecidos pela
Terremark
para o NAP do Brasil ainda não foram definidos. Segundo Brian Goodkind,
vice-presidente e diretor de operções da Terremark Latin America, o
custo
dos serviços do NAP das Américas é de US$ 13 mil por mês, em média.

Fonte: IDG Now!
Data: 03/04/2002
Disponível em: http://idgnow.terra.com.br/idgnow/internet/2002/04/0007



More information about the gter mailing list